cancer de prostata

Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostra que 51% da população brasileira do sexo masculino não vai ao médico regularmente.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais frequente nos homens, após os tumores de pele. No mundo, ele ocupa a 15ª posição em mortes, cerca de 6% do total de mortes por câncer, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer.

De acordo com a SBU, a primeira ida ao urologista para avaliação da próstata deve ser a partir dos 50 anos. Caso haja histórico de câncer de próstata na família de 1º grau - pai, irmão, tio - a consulta deve ocorrer a partir dos 45 anos.

Sintomas do Câncer de Próstata

Infelizmente, o câncer de próstata é uma doença silenciosa nas fases iniciais. Por esse motivo, a melhor prevenção é o diagnóstico precoce, realizado através de exame de sangue (antígeno prostático específico – PSA) e do exame de toque retal, rápido e indolor, realizado pelo urologista durante a consulta de rotina.

Em casos avançados, quando as chances de cura são menores, é comum haver sintomas urinários obstrutivos, como diminuição do jato urinário, gotejamento após a micção, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, micção em dois tempos, retenção urinária; e/ou irritativos, como aumento da frequência urinária, urgência, incontinência, aumento da frequência urinária noturna.

Tratamento do Câncer de Próstata

Nos últimos anos, surgiram novas formas de tratamento do câncer de próstata. Ao avaliar o estágio da doença: localizado, localmente avançado ou avançado; a idade e as condições clínicas do paciente; é possível traçar o tratamento mais adequado.

Na fase inicial, localizada na próstata, há opções como a vigilância ativa, onde é feito o acompanhamento da evolução do quadro; a cirurgia de prostatectomia radical, que é a retirada da próstata e pode ser realizada aberta, por videolaparoscopica e robótica; e a radioterapia externa ou braquiterapia. Nos casos de doença localmente avançada, a cirurgia e a radioterapia são as opções para cura do paciente.

Nos estágios avançados, os tratamentos têm intenção paliativa. É possível optar por terapia de ablação hormonal e quimioterapia, associadas ou não a procedimentos cirúrgicos, para aliviar o fluxo urinário, além de medicações para proteção óssea. Esses tratamentos e o acompanhamento médico adequado aumentam substancialmente a sobrevida do paciente ao lado dos seus familiares e amigos.

 

Matéria adaptada de notícia publicada no Portal da Urologia

Horario

Facebook

Informações

Serviço de manobrista no local

Av. Dom Pedro II, 620 - Cj. 84
Bairro Jardim - Santo André - SP
CEP 09080-000

(11) 2534 2552

(11) 99148 0324

atendimento@equilibriumcm.com

Especialidades

Fale Conosco

Powered by ChronoForms - ChronoEngine.com